Com a volta às aulas surge a preocupação dos pais com o estado de saúde das crianças. Em uma sociedade onde somos expostos ao estresse muito cedo, comemos mal e fazemos tudo de forma corrida, as crianças vêm apresentando problemas de saúde desde cedo e precisam ser monitoradas constantemente.

É por isso que os pais mais conscientes já estão programando visitas ao pediatra nos períodos que antecedem começo de períodos letivos de forma cada vez mais frequente. O pediatra irá fazer uma avaliação e pode pedir alguns exames ou encaminhar para outras especialidades de acordo com alguma suspeita.

Vejamos a seguir os exames mais comuns solicitados por esses profissionais e os motivos para essas solicitações.

O exame de vista

Antigamente os pais só percebiam que a criança tinha algum problema de visão quando os sinais já eram para lá de nítidos. Crianças que escreviam deitadas na carteira, que só se sentavam nas primeiras fileiras ou que apresentavam dores de cabeça constantes eram finalmente examinadas pelo pediatra e encaminhadas ao oftalmologista.

Hoje em dia, estamos mais conscientes desses problemas e podemos prevenir os problemas de visão antes mesmo da volta às aulas levando as crianças para fazer exames de vista.

O exame inicial é simples e pode ser feito pelo pediatra para, em caso de suspeitas, fazer o encaminhamento para o oftalmologista. Os problemas mais comuns encontrados são o estrabismo, a miopia e o astigmatismo, embora algumas doenças mais graves possam ser diagnosticadas e tratadas graças a esse tipo de cuidado.

O crescimento e a obesidade

As crianças crescem a cada dia. Na escola, irão brincar e realizar atividades físicas, mas também estarão sujeitas ao estresse físico e mental.

Muitos pais levam as crianças ao pediatra, felizes por acharem que eles estão fortes, quando na verdade podem estar com sobrepeso.

A obesidade infantil vem crescendo de forma alarmante no Brasil e está em geral associada com a má alimentação e com o sedentarismo, já que por medo ou por falta de espaço, as crianças acabam cada vez mais confinadas à apartamentos ou aos próprios quartos onde a atividade física é substituída por mídias digitais e jogos eletrônicos.

Em geral, o pediatra pode dar recomendações sobre exercícios e alimentação para o período de volta às aulas ou pode também solicitar exames de sangue, urina ou fezes para saber se a obesidade é apenas fruto de maus hábitos ou se há algum problema a ser tratado. Crianças que já completaram os 10 anos já são recomendadas a realizarem o primeiro exame de checagem do colesterol, pois muitas já mostram essa tendência durante esse período.

Audiometria

Assim como acontece com os problemas de visão, muitas crianças podem ter problemas de audição que prejudicam o seu desempenho na escola. Crianças que aparentam não prestar atenção às aulas podem estar ouvindo mal.

Neste caso o pediatra também fará exames clínicos simples e só fará o encaminhamento para o médico otorrino em caso de suspeita. É o otorrino que fará testes mais apurados e pedirá exames caso ache necessário. Portanto não há nenhuma necessidade de fazer exames se a criança não apresenta nenhum sintoma aparente. Os médicos recomendam cautela quanto a sair fazendo vários exames nas crianças sem necessidade e o audiométrico é um desses casos.

Problemas da fala

A volta às aulas é um período crítico para muitas crianças. Novos colegas, novos professores e até novas escolas representam um desafio, já que como humanos, as crianças também precisam se socializar e buscam pela aceitação dos seus pares.

Os problemas de fala costumam ser diagnosticados logo na primeira infância, quando a criança começa a falar, mas, infelizmente, algumas crianças têm demonstrado desempenho vocal incompatível com a idade.

Isso pode acontecer porque pais, avós e até irmãos mais velhos acham “engraçadinho” quando a criança fala errado e não fazer as correções necessárias acreditando que o problema se corrigirá naturalmente com o crescimento da criança.

Vêm a volta às aulas e com ela o problema do bullying causando por esse tipo de diferença. O pediatra, especialidade que você pode encontrar online para agendamento da Doctare irá encaminhar a criança para um fonoaudiólogo caso essa necessidade seja observada na consulta.

A criança passará então por avaliação e exames para saber se existe algum problema de ordem física ou se apenas um tratamento terapêutico será o suficiente.

Os dentes

As crianças são muito mais sensíveis que os adultos ao surgimento das temidas cáries. E nem sempre o problema é a má escovação ou o consumo excessivo de doces. Muitas delas têm uma predisposição ao problema e os pais precisam estar sempre de olho, não apenas no período de volta às aulas como também durante o período letivo.

Além das cáries, os pais precisam prestar atenção para o processo de troca dos dentes de leite para os permanentes, porque nesse período pode acontecer de aparecerem dentes tortos e outros problemas que podem precisar de aparelho para serem corrigidos.

Neste caso, não é o pediatra quem fará uma análise, mas o dentista e os pais podem preferir não fazer esse acompanhamento nesse período para não sobrecarregar a criança nem o orçamento.

Os problemas psicológicos

A sociedade moderna exige cada vez mais e em menos tempo das pessoas, criando ambientes cada vez mais estressantes. Preocupados com os traumas gerados durante a infância e que costumam ser carregados durante toda a vida adulta, cada vez mais os pais estão realizando avaliações psicológicas das crianças e intervindo quando necessário.

Assim como no caso dos dentistas, os psicólogos também não precisam ser associados ao período de volta às aulas, mas serem procurados sempre que a criança apresenta atitudes suspeitas como a dificuldade de socialização, comportamentos violentos ou desvios muito graves.

Entretanto é preciso muito cuidado para não esperar de uma criança o comportamento de um adulto. Muitos pais estão levando crianças aos psicólogos e estão medicando essas crianças sem a menor necessidade.

É preciso lembrar que a infância é uma fase de grande atividade física e que quando essa energia é represada, ela pode explodir na forma de comportamentos que os pais podem julgar como patológicos, mas que estão dentro de uma normalidade.

Em termos leigos, é perfeitamente normal a criança “aprontar”, “fazer artes”, não mostrar interesse pela escola, mas pelas brincadeiras entre outros comportamentos comuns para a idade.

Em caso de dúvida, um psicólogo pode ser encontrado e você pode fazer o agendamento de uma consulta de forma rápida e fácil através de uma solução ótima para esses dias corridos da atualidade.

Alguns dos problemas psicológicos mais encontrados nas crianças são a hiperatividade, o transtorno de déficit de atenção (TODA), a ansiedade e a depressão.

Também nesses casos, não costuma haver a necessidade de exames mais complexos, mas de uma boa análise clínica. Nesses casos, o problema pode até ser genético, embora a maioria das ocorrências seja em virtude traumas e outras situações puramente comportamentais.

Ao contrário do que se pensa, o tratamento não é só com a criança, mas deve envolver toda a família no processo.

Como você pode ver, não é necessário realizar uma bateria de exames nos seus filhos em virtude da volta às aulas. Apenas realizar as rotinas já explicadas pelos médicos, sem sobrecargas.