A palavra Osteoporose tem origem grega e significa “ossos porosos”. É uma doença metabólica caracterizada pela diminuição da densidade óssea (massa óssea), que torna os ossos porosos e menos resistentes, aumentando os riscos de sofrer fraturas. 

É uma doença muito comum de se manifestar com a chegada da velhice, quando naturalmente ocorre a diminuição da formação óssea.

A osteoporose é uma das doenças que mais acomete pessoas acima dos 45 anos de idade, especialmente as mulheres, que sofrem uma queda brusca de hormônios na menopausa. A proporção média é que a cada 6 mulheres acima de 50 anos, 1 homem tenha o mesmo problema de osteoporose e fraturas. 

Dados da OMS-Organização Mundial da Saúde estima que em 2050 o número de fraturas do quadril deve chegar a 6,3 milhões. A osteoporose também é indicada como uma das principais causas de mortalidade, principalmente em idosos em idade ainda precoce.

Nesse artigo vamos informar o que causa a osteoporose, medidas simples que podem ajudar a prevenir, alguns tratamentos que são recomendados pelos médicos, como a doença é detectada e o exame mais indicado para o diagnóstico.

Como ocorre a renovação óssea e qual a causa da osteoporose?

Os ossos são formados por células chamadas osteoclastos, que absorvem o material ósseo antigo, e pelas células chamadas osteoblastos, que tem a função de formar ossos novos com a ajuda de minerais como o cálcio e o fósforo. Esse processo é constante e importante para a renovação óssea em caso de fraturas. Porém, a medida que envelhecemos, o número de novas células importantes para a formação óssea diminui. 

Outro fator importante é que o estrogênio, hormônio presente em maior quantidade nas mulheres no que nos homens, também tem sua produção diminuída com a chegada da menopausa nas mulheres. O estrogênio tem papel importante no equilíbrio da renovação de massa óssea. Isso explica porque as mulheres são as mais propensas à sofrerem fraturas.

Dessa forma, a medida que a renovação óssea diminui, os ossos permanecem velhos e com perda de estrutura interna, ou seja, poroso. 

Quais os ossos mais atingidos pela osteoporose?

Os ossos mais atingidos pela osteoporose são a coluna vertebral, o quadril, o punho e o braço. 

As fraturas do quadril e da coluna são as mais preocupantes, isso porque podem causar a incapacidade de fazer simples movimentos e até impedir de andar, impactando diretamente a qualidade de vida do indivíduo. Fraturas nesses locais também são indicadas como causas de morte. 

A deficiência de cálcio na alimentação causa a osteoporose?

O cálcio é um dos componentes mais presentes na estrutura óssea e sua ingestão é muito importante para que ocorra a renovação óssea. Como vimos anteriormente, a formação dos ossos depende também de células e hormônio, que nos idosos tem suas produções diminuídas. Mas isso não quer dizer que uma alimentação rica em cálcio seja dispensada. É importante que o mineral esteja disponível no organismo desde a juventude até a chegada da velhice. 

Os alimentos ricos em cálcio são o leite e seus derivados, vegetais de cor verde-escura como brócolis e espinafre, sardinha, aveia, entre outros.

Os suplementos de Cálcio e Vitamina D também podem ser excelentes aliados quando a ingestão de cálcio por meio da alimentação não é suficiente.

Sinais que indicam a osteoporose

Infelizmente, a maioria dos casos de osteoporose são detectados somente quando está em estágio avançado, ou seja, quando ocorrem as fraturas ósseas. Geralmente, a pessoa descobre somente quando sofre uma queda séria e ao procurar o médico, descobre que houve uma fratura óssea. 

Alguns sinais que surgem quando a osteoporose são:

  • Dores na região lombar, devido a fraturas dos ossos da coluna vertebral
  • Dores no pescoço, também devido a fraturas dos ossos da coluna vertebral 
  • Diminuição da estatura, que ocorrem devido a fraturas das vértebras por compressão
  • Dores e sensibilidade óssea a ponto de não suportar esforços e movimentos, devido ao desgaste do osso
  • Quedas constantes também podem indicar osteoporose 

O ideal é que não se espere ter a ocorrência constante dos sintomas acima para procurar diagnóstico médico, pois esses são apresentados quando a doença já está agravada. Quanto antes a osteoporose for diagnosticada melhores resultados serão obtidos com os tratamentos recomendados pelo médico. 

Como é realizado o tratamento de osteoporose

O tratamento da osteoporose envolve a suplementação de cálcio e vitamina D, que são importantes na composição óssea. A reposição hormonal também é importante, devida a queda natural que ocorre principalmente em mulheres. Também são indicados medicamentos orais e injetáveis que impedem o desgaste ósseo e ajudam a formar os ossos.

 

Medidas simples para prevenir a osteoporose

Além de ingerir quantidades necessárias de cálcio desde a infância, algumas medidas simples podem ser adotadas para manter uma densidade óssea adequada para o bom funcionamento do corpo humano. Entre elas: tomar sol para ajudar na fixação da vitamina D no organismo; manter uma alimentação equilibrada; manter hábitos de vida saudáveis como não fumar e não abusar de bebidas alcoólicas; praticar exercícios físicos.

Diagnóstico médico da Osteoporose

O médico investiga a propensão à doença através de perguntas e levantamento de dados como idade, peso, histórico familiar, hábitos de alimentação, hábitos de prática de atividades físicas, consumo de álcool e cigarro, entre outros. Essa avaliação clínica tem o objetivo de apenas identificar se o paciente está entre o grupo de risco que pode apresentar a doença, mas o diagnóstico, de fato, é realizado através de um exame chamado de Densitometria óssea. 

A Densitometria óssea é um exame não invasivo, simples e rápido realizado através de Raio X. O equipamento utilizado envia a um computador informações sobre a densidade da massa óssea dos ossos analisados. Os dados apresentados são comparados com os valores de referência recomendados de acordo com a idade, sexo, peso e altura. 

Através do exame é possível classificar a densidade óssea em três faixas decrescente: normal, osteopenia e osteoporose.

Quem deve realizar o exame de Densitometria óssea?

Algumas pessoas são mais propensas a desenvolver a osteoporose, são pertencentes ao chamado “grupo de risco”. Essas pessoas apresentam os seguintes fatores:

  • Mulheres na pós-menopausa
  • Mulheres com menopausa precoce (antes dos 45 anos)
  • Fumantes
  • Pessoas que ingerem muita bebida alcoólica
  • Sedentários
  • Pessoas que sofrem quedas constantemente
  • Pessoas com histórico familiar de fraturas e osteoporose
  • Pessoas que fazem tratamento com corticosteróides
  • Pessoas com doenças reumáticas, cálculo renal ou doenças do estômago e intestinal
  • Pessoas com doenças da tireóide
  • Pessoas com excesso de peso
  • Pessoas que se expõem pouco ao sol
  • Pessoas que ingerem poucos alimentos com cálcio
  • Todas as mulheres acima de 60 anos
  • Todos os homens acima de 70 anos 

Geralmente recomenda-se realizar o exame de densitometria óssea a cada 1 ano, mas o médico pode informar sobre exceções e necessidade de realizar antes do tempo médio recomendado.

Fique atento se você pertence ao grupo de pessoas com maior propensão a desenvolver a osteoporose e procure um médico para realizar o exame e obter o diagnóstico preciso e correto.

Qual a especialidade médica deve ser procurada para diagnosticar e tratar a osteoporose?

O Ortopedista é o médico especializado para utilizar métodos capazes de prevenir, diagnosticar e tratar doenças relacionadas ao sistema esquelético e sua estrutura óssea. Outros especialistas que também podem identificar a doença e inclusive são importantes para o tratamento são: Clínico geral, Fisioterapeuta e Endocrinologista. 

Agende uma consulta com um dos nossos especialistas e descubra como manter a perfeita saúde dos seus ossos, melhorando a sua qualidade de vida!